terça-feira, 12 de julho de 2011

Anjos e Demônios | Dan Brown















Quem nunca sonhou em fazer ao menos uma visita à Cidade do Vaticano, à Basílica de São Pedro ou à Roma, por exemplo, pode talvez não se animar tanto quanto a pessoa que sonha com isso ao assistir o filme Anjos e Demônios (2009, dirigido por Ron Howard), que é, praticamente, um desfile de cenários exóticos e belíssimos, constituído por ruas, avenidas e capelas de Roma. Estas últimas, por sua vez, exibem obras de arte de escultores e pintores famosos - ou seja, um prato cheio pra qualquer viajante, artista ou até mesmo fanático religioso. Não só neste ponto, o filme também chama atenção pela trama inteligente criada pelo escritor Dan Brown em seu livro de mesmo nome, e foi assim que eu - não só, com certeza - fiquei curioso e decidi ler o livro, que é, sem dúvida alguma, melhor que o filme - o qual acabei odiando após minha leitura ao descobrir a infidelidade para com a estória original.

Na trama, que antecede a estória de O Código da Vinci, Robert Langdon é um professor de Simbologia de Harvard que um dia acorda de madrugada com seu telefone tocando. Do outro lado da linha está Maximiliam Kohler, diretor do CERN (o maior estabelecimento de pesquisa científica do mundo), que o chama para desvendar um grande mistério. Um cientista do local fora assassinado brutalmente e marcado á fogo com uma marca de uma fraternidade há muito extinta: os Illuminati, antigos inimigos da igreja. Assim, Langdon sai de sua casa nos Estados Unidos e vai para a Suécia. Lá, ele conhece Vittoria Vetra, a filha do cientista assassinado. Tudo ia bem até que Kohler obriga Vittoria a mostrar uma experiência secreta que ela e seu pai estavam fazendo, e que ninguém mais tinha conhecimento sobre. A tal experiência chocou tanto Robert quando Kohler: o pai de Vittoria havia encontrado a maneira de criar a antimatéria (o contrário de tudo o que existe no mundo), e que pode destruir uma cidade com menos de quinhentas gramas. Porém, o mais impressionante é que a tal antimatéria fora roubada. Já em outro país, a tal antimatéria aparece em uma câmera na sala de vigilância do Vaticano, e o problema é que ninguém sabe onde se encontra essa câmera e que, em poucas horas irá explodir. A única informação é que esta câmera só pode estar dentro do Vaticano. As buscas se iniciam, mas um dos integrantes da fraternidade Illuminati se manifesta dizendo que sequestrou os quatro cardeais que são os possíveis eleitos ao papado do conclave que está ocorendo no Vaticano no exato momento de todos estes acontecimentos e que irá matar um por hora, até a meia-noite, em quatro igrejas diferentes espalhadas por Roma. Agora, resta a Robert Langdon, com seus conhecimentos sobre artes e religião e a ajuda de Vittoria, desvendar o mistério que desenterra os antigos inimigos da igreja, enquanto o Vaticano está prestes à explodir e os possíveis eleitos ao papado irão ser assassinados.

Eu nunca havia lido nenhum Dan Brown, mas me encantei com o modo de escrever do autor. Ele cria personagens fascinantes frequentando lugares totalmente interessantes e, às vezes, até exóticos. Anjos e Demônios começa nos Estados Unidos, em Nova Iorque, na casa do protagonista. Bem rápido, ele já está na Suíça passeando pelo CERN, o maior estabelecimento de pesquisas científicas do mundo (que realmente existe), depois na Cidade do Vaticano e correndo pelas ruas da Roma Moderna (e, acreditem, tudo isso em um dia só). Porém, o mais interessante (e inteligente) disso tudo é que Brown aproveita fatos reais para construir sua trama ficcional ao redor disso tudo. Um exemplo é a antimatéria, que foi criada por cientistas do CERN, que conseguiram mantê-la por menos de um segundo por cinco vezes. À partir daí, Brown criou toda sua trama - misturando arte, religião, terrorismo, assassinatos, ciência e muito suspense. É impossível um fã do gênero ficar sem ler o livro após começar - a trama tem vários clímax que, juntos, formam um ritmo eletrizante sobre descobrir a verdade antes que seja tarde demais, desenterrando mistérios que há muito tempo não eram revelados.

Anjos e Demônios é altamente recomendável. Dan Brown se mostra um escritor ousado, conseguindo mesclar vários temas dentro de uma só trama, resultando em um espetáculo de inteligência que, melhor ainda, é fácil de entender, mesmo adentrando em assuntos tão difíceis como o conflito entre a razão e a fé. Com personagens cativantes, cenários exóticos e diálogos muito bem escritos e explicados, o livro é um marco da literatura ficcional.

Livro: Anjos e Demônios
Autor: Dan Brown
Editora: Sextante
Páginas: 461

2 comentários:

Aione Simões disse...

Eu AMO esse livro! Mas eu odiei o filme, porque eles mudaram a história rsrs...
É ódio bobo, porque sei que não tem como fazer um filme igual ao livro, principalmente se o filme em questão fosse gerar conflitos com a Igreja caso fosse fiel ao livro hehe...
Mas é que me apaixonei tanto pela história que foi uma decepção vê-la ser mudada nas telinhas, acho que esperei demais dele. Se não tivesse lido o livro, provavelmente gostaria mais do filme!
Quanto aos outros livros dele, são todos muito bons! Recomendo também "O Código DaVinci", tenho dúvida de qual desses dois eu gosto mais!
Já os outros também são bons, mas depois de um tempo os livros dele acabam perdendo um pouco a graça porque seguem todos a mesma fórmula e você começa a sacar o que vai acontecer. De qualquer forma, eles são tão ricos em conteúdo, seja em arte, história ou o que for, que valem a pena de serem lidos!
Beijos!

Pedro Henrique Borges da silva disse...

Sua resenha ficou muito boa, simples e direta. Parabéns mesmo! É que com tantos blog literários por aí poucos apresentam boas resenhas, que avaliam a obra em todos os seus aspectos. Eu também fiz uma resenha desse livro no meu blog, Se você quiser conferir o endereço é esse: www.blog-epilogo.blogspot.com . Já estou seguindo o seu blog e conte com as minhas visitas!

Postar um comentário

Gostou do café? Comente!